Bem Vindo(a) ao Blog destinado aos amantes da Aquariofilia. Aqui poderá encontrar links úteis, fotos de aquários, fotos de peixes, informações gerais sobre Aquariofilia, etc.

Quarta-feira, 4 de Junho de 2008
Manutenção do Aquário

Por:  Nuno Sénica e Ana Caixinha em Ciclideos.com

 

... a água

Primeira noção a reter: Nunca lavar o aquário por completo, salvo raras excepções como no caso de algumas doenças. A lavagem do aquário é, muitas vezes feita da seguinte forma: retiram-se os peixes para um balde (às vezes com água comum da torneira ainda com cloro ou um balde mal lavado que foi usado anteriormente com detergente), despeja-se o aquário, retirando as pedras, o areão/areia, o filtro, etc.., lava-se tudo muito bem e volta-se a encher de novo e a colocar lá dentro tudo o resto. Este procedimento é comum e completamente errado precisamente por causa do já referido ciclo do azoto.
Então qual é o procedimento correcto? Pois bem, a água nunca se substitui totalmente, devem-se efectuar trocas parciais de água (TPA). A TPA num aquário é o procedimento mais importante que se deve realizar, com ela eliminamos os agentes nocivos como a amónia, nitritos e nitratos e introduzimos novos nutrientes no aquário. A água nova deverá ser condicionada com anti-cloro, e reguladores de Ph, se necessário, pois este deve estar com valor mais perto possível da água do aquário. A frequência das TPA depende de inúmeros factores, nomeadamente da capacidade de filtragem e espécies em causa. Regra geral troca-se entre 20-30% de água de 2 em 2 ou 3 em 3 semanas. Durante uma TPA deverá limpar os vidros, por exemplo com um cartão bancário (já caducado) que sendo de plástico não risca o vidro e aspirar os detritos acumulados no substrato.

... o filtro

Lavar muito bem o filtro é um erro pois mata grande parte das colónias de bactérias essenciais para a saúde e bem estar dos peixes. No caso de possuir um filtro externo deverá aproveitar uma TPA para fazer uma lavagem seguindo exactamente o mesmo procedimento dos filtros interno, no entanto não necessita de o fazer em todas as TPAs, de 4 em 4 meses é suficiente.

... a flora

Eventualmente pode aproveitar uma TPA para podar as plantas.

 

 



publicado por Bruno Silva às 11:40
link do post | comentar | favorito

Características necessárias para um aquário

Por:  Nuno Sénica e Ana Caixinha em Ciclideos.com

 

Escolhidas as espécies pensamos no equipamento com tamanho e características necessárias para os acolher.

 

... o aquário

Se a sua escolha recair num comunitário com platy (Xiphophorus maculatus), espadas (Xiphophorus helleri) e guppys (poecilia reticulata) precisaremos de um aquário com cerca 80 cm (aprox. 85L). Se for um aquário com apenas uma colónia de neolamprologus similis ou neolamprologus brevis, conchiculas oriundos do Lago Tanganyika, um aquário de 60 cm (aprox. 60L) será suficiente, uma vez que os peixes são relativamente pequenos. Considerando peixes de maior dimensão, como é o caso dos habitantes do Lago Malawi, o mínimo requerido são 120 cm (aprox. 240L) onde é possível manter cerca de 3 a 4 casais (por exemplo: Pseudotropheus acei, Iodotropheus Sprengerae e Labidochromis Caeruleus).
Como se pode verificar o tamanho do aquário está directamente relacionado com as espécies que o vão habitar daí ser necessário fazer a escolha prévia das espécies. Aquários mais pequenos podem ser utilizados no entanto há sempre uma regra de ouro a ser seguida: no máximo 1 cm de peixe por cada litro de aquário, sendo o ideal 2 Litros para 1 cm - não vamos querer um aquário super populado onde os peixes se sintam “sardinhas enlatadas”! Tudo o que seja superior a estas dimensões os nossos amigos agradecem e até se podem colocar mais espécies desde que sejam compatíveis entre si, tanto a nível social como de habitat.

... o filtro

Posto isto há que pensar num bom sistema de filtragem adequado às espécies e volume do aquário. O ideal será sempre usar um sistema de filtragem externo, pois requer menos cuidados e mantém melhor a qualidade da água. No caso das espécies de grandes lagos africanos é essencial que o sistema de filtragem faça pelo menos 6 vezes o volume do aquário por hora e neste caso poderá usar-se um filtro interno para compensar o externo. Nos outros casos cerca de 4 a 5 vezes é suficiente no entanto convém sublinhar que a filtragem é a parte mais importante do aquário sendo que esta nunca é demais.

... o termóstato

Como estamos a falar de peixes de água quente será necessário um termostato. O termostato tem a funcionalidade de manter a água a uma temperatura constante aquecendo a água até à temperatura indicada (por exemplo, para sul americanos cerca de 27-28º e para grandes lagos africanos cerca de 24-25º). A potência também depende do volume de água e aconselha-se um termóstato com potência equivalente a 1W por cada litro de volume do aquário.

... a iluminação

Neste momento já temos aquário, filtragem e aquecimento. Falta-nos aquilo que nos vai permitir desfrutar do aquário e de todo o seu esplendor: a iluminação. Não sendo um elemento com grandes requisitos para aquários dos grandes lagos africanos (+-0.5W/Litro) é essencial uma boa iluminação para um aquário plantado na proporção de 1W/Litro ou até mesmo superior. No campo da iluminação existem diversos tipos de lâmpadas (fluorescentes, HQI, etc) com diversas temperaturas de cor com funcionalidades e propósitos diferentes (crescimento das plantas, realce das cores, luz marinha, etc). Uma iluminação adequada irá fazer toda a diferença na beleza do aquário, por exemplo um aquário do Lago Malawi não necessita de uma iluminação muito forte no entanto a correcta iluminação irá fazer realçar as cores dos peixes e até mesmo produzir um crescimento controlado de algas que são necessárias ao desenvolvimentos das espécies desse lago, pois são herbívoros. Convém ter em atenção que o excesso de iluminação poderá originar uma explosão de algas verdes no aquário se não existirem plantas suficientes para “consumir” essa iluminação em excesso, e do mesmo modo uma iluminação deficiente irá originar algas castanhas.

... a decoração: rochas, conchas, plantas e afins

A decoração, tal como todos os outros elementos, depende muito do tipo de espécies e também do tipo de aquário. Existem determinadas espécies que precisam de um conjunto de conchas para formarem as suas colónias, outras dão-se melhor se colocarmos um coco. No caso de algumas espécies do Lago Malawi, nomeadamente os Mbunas (peixes das rochas) é necessário a inclusão de bastantes pedras de modo a formarem muitos esconderijos. Ou seja, devemos que adequar a decoração às necessidades das espécies tentado providenciar-lhes o meio mais natural possível.

... areão ou areia?

Conforme o tipo de aquário que estamos a montar poderemos usar areia da praia ou do rio, por exemplo o adequado para ciclideos africanos, ou areão com cerca de 2 ou 3 mm, para viviparos sul americanos

... a alimentação

Uma vez que é impossível gerar a quantidade de comida necessária aos nossos amigos e também em qualidade, teremos de lhes fornecer comida. Este gesto passará a fazer parte da nossa rotina de vida e é a melhor altura para observar os nossos peixes. Uma boa alimentação é meio caminho andado para o sucesso do aquário, esta deve ser adequada aos hábitos alimentares das nossas espécies e deve ser, sempre que possível, diversificada. Hoje em dia é com grande facilidade que se compra comida de qualidade tanto para peixes herbívoros como omnívoros havendo inclusivamente comida especializada para determinados tipos de peixes.
Os peixes, geralmente, assim que vêm o frasco da comida nadam em grande azáfama de imediato para a superfície, deve-se dar a quantidade suficiente para que eles consumam tudo num período de 2 a 3 min. Caso verifique que deu comida a mais reduza a quantidade da próxima vez, comida em excesso vai apodrecer e degradar mais rapidamente a qualidade da água.
O período da alimentação é crucial para diagnosticar doenças, se determinado peixe não mostrou interesse na comida é sinal que poderá estar com alguma doença, as atenções a partir desse momento serão redobradas e um diagnostico atempado permite a sua recuperação na maioria dos casos.

 

... outros acessórios

Bombas de ar: conciliada com o uso de uma pedra difusora além de produzir um efeito muito interessante, provoca uma ligeira ondulação à superfície da àgua favorecendo as trocas gasosas entre a água e o meio ambiente contribuindo para uma melhor qualidade da água.
Móvel: Tendo em conta que um aquário com cerca de 200 Litros de água mais a decoração pode facilmente chegar aos 250-300 Kg, percebemos logo que este elemento não pode ser descurado. Deve fornecer um bom e estável suporte ao aquário, servindo também de arrumação para um filtro externo e o restante material utilizado.
CO2: Para aquários do tipo plantado é indispensável a introdução de CO2 que irá induzir o crescimento natural das plantas e conceder-lhes um verde resplandecente. Tapete de campista ou esferovite: É colocado entre o móvel e a base do aquário de modo a nivelar o aquário para garantir que a distribuição de água é uniforme e que todos os vidros estão sujeitos à mesma força. Um aquário mal equilibrado poderá, com o tempo, ganhar fissuras nas colagens ou mesmo partir devido a pressão não uniforme sobre os vidros.

 



publicado por Bruno Silva às 11:32
link do post | comentar | favorito

links
posts recentes

Manutenção do Aquário

Características necessári...

arquivos

Dezembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Maio 2008

tags

todas as tags